Twitter Facebook Facebook
Entrar no Chat Cadastre-se
Twitter Facebook Email

Passa Quatro

•
•
•
•
•

O território do atual município de Passa Quatro, segundo interpretações historiográficas, foi percorrido por expedições portuguesas de reconhecimento, ainda no primeiro século de colonização. Alguns consideram que membros da armada de Martim Afonso de Souza estiveram na região, em 1531. Outra entrada apontada é a de Martim Correia de Sá que – seguindo ordens do governador geral do Brasil D. Francisco de Sousa para encontrar a lendária serra do Sabarabuçu – explorou suas terras, em 1596. No decorrer do século XVII, o bandeirismo paulista se intensificou nas terras além da serra da Mantiqueira. A Garganta do Embaú, situada neste limite geográfico – hoje fronteira natural entre os estados de Minas Gerais e São Paulo e parte da divisa de Passa Quatro –, representou então o principal acesso à região sul mineira.

Embora seja difícil apontar o primeiro a fazer o caminho, a bandeira comandada, em 1674, por Fernão Dias Paes Lemes, o famoso caçador de esmeraldas, é um marco desta fase, sendo lembrada por todos que se referem à história regional. A partir da descoberta de ouro em grande quantidade no interior do território mineiro, na virada do século XVII para o século XVIII, a localidade tornou-se parte da principal rota oficial de ligação entre as vilas do Rio de Janeiro e de São Paulo para os núcleos mineradores, que seria mais tarde chamada de Caminho Velho. Nesta época, já era utilizado o topônimo Passa Quatro devido ao fato da estrada ali cruzar quatro vezes o rio local, que recebeu a mesma denominação.

A tradição guardou o nome dos portugueses irmãos Ribeiro como os primeiros a se radicarem na região, por volta de 1700. No entanto, o registro mais antigo conhecido sobre o estabelecimento de colonos é uma carta de doação de sesmaria, em nome de Domingues Rodrigues Correia, datada de 1733. Também consta que para obter o título, este senhor alegou já morar na paragem, juntamente com sua família, há muitos anos e que já requeria a posse das terras desde 1717.

A primeira ermida da região foi levantada, em meados do século XVIII, onde hoje se localiza o distrito de Pinheirinhos por colonos que ali se estabelecerem com atividades agropecuárias. Mas somente a partir de meados do século XIX que ocorreu a formação do povoado primitivo.

A fundação do arraial de Passa Quatro é atribuída ao casal José Ribeiro Pereira e Ana da Motta Paes que, em 1850, foram os principais responsáveis pela construção de uma capela dedicada a São Sebastião, em torno da qual se formou o povoado. O rápido crescimento determinou sua elevação à condição de distrito de paz do município de Baependi, em 1854, e a criação da paróquia, em 1868. Poucos anos depois, em 1874, Passa Quatro passou a integrar o recém criado município de Pouso Alto.

A inauguração da Estrada de Ferro Minas e Rio, pelo imperador D. Pedro II, em 1884, trouxe grande impulso à localidade, possibilitando o crescimento quantitativo e qualitativo das produções econômicas. E, por conseguinte, a criação do município de Passa Quatro, com território desmembrado de Pouso Alto, através de lei de 1 de setembro de 1888.

A década de 1930 também marcou a conquista da autonomia judiciária municipal, ocorrida através da instalação da Comarca de Passa Quatro, em 1936. E também pela realização, em 1937, de estudos sobre a qualidade da água de algumas de suas fontes pelo Departamento de Produção Mineral do Ministério da Agricultura que resultaram no reconhecimento do município como novo distrito hidromineral do Brasil, em 1941, e na sua elevação à categoria de estância hidromineral, através de decreto estadual de 1946.

Na década de 1950, o Município passou a apresentar características marcadamente urbanas, impulsionadas pelo crescimento das atividades industriais, comerciais e de serviços. Na zona rural o cultivo do fumo, que entrou em decadência nos meados da década de 1940, foi substituído pela produção de batata-inglesa. Segundo censo de 1960, a população local que somava 11.379 habitantes estava majoritariamente estabelecida na área urbana.

A atividade turística passaquatrense incrementou-se a partir de meados da década de 1980, quando a inauguração de grande empreendimento hoteleiro incentivou novos investimentos no setor. O cultivo e a comercialização do fumo em corda, que contribuiu para o desenvolvimento e a emancipação administrativa da localidade, foi também a principal atividade econômica de Passa Quatro no final do século XIX e nas primeiras décadas do século XX. Neste período, o capital proveniente da indústria fumageira viabilizou a urbanização da cidade e sua expansão demográfica, atraindo vinda de imigrantes italianos, franceses e portugueses que se ocuparam, inicialmente, nos armazéns de fumo e demais ramos do comércio local.

Passa Quatro entrou para história republicana do Brasil ligada às revoluções de 1930 e de 1932, quando foi transformada em palco de combates militares entre tropas legalistas e revolucionárias, devido sua localização estratégica na ligação dos estados de Minas Gerais e São Paulo.

Galeria

Galeria Passa Quatro - MG
Galeria Passa Quatro - MG
Galeria Passa Quatro - MG
Galeria Passa Quatro - MG
Galeria Passa Quatro - MG
Galeria Passa Quatro - MG
Galeria Passa Quatro - MG
Galeria Passa Quatro - MG
Galeria Passa Quatro - MG
Galeria Passa Quatro - MG
Galeria Passa Quatro - MG
Galeria Passa Quatro - MG